segunda-feira, setembro 19, 2005

À sucapa...

Começo por socorrer-me de algumas citações, algo datadas como é costume dizer-se, para evidenciar a "surrealidade" desta arrastada situação e a magnanimidade com que é tratada por aqueles que, à frente de organismos estatais tutelares responsáveis, teriam em princípio todos os meios para actuar e pôr cobro a esta vergonha.
Região Sul (3 de Novembro de 2000)
«ETAR de Silves: "Os resultados estão à vista e são medíocres"
acusa CDU
A CDU/Silves, em comunicado de imprensa, "exige" do executivo camarário de maioria PSD, que "assuma com frontalidade" as suas responsabilidades no que se refere à ETAR de Silves e tome medidas "imediatas, enérgicas e efectivas, com vista à eliminação das causas dos perigosos focos de poluição ambiental com origem na ETAR".
De acordo com a CDU de Silves, a situação que afecta o funcionamento da estação de tratamento de águas residuais de Silves (ETAR) é "extremamente grave e perigosa" e com "consequências negativas no ecossistema do rio Arade e na degradação do ambiente urbano da cidade".
Segundo a Coligação Democrática Unitária, desde há várias semanas a esta parte o "insuportável mau cheiro resultante do deficiente e/ou inexistente funcionamento" da ETAR e a ausência de medidas de manutenção a que aquela infra-estrutura "irresponsavelmente" tem estado sujeita nos últimos tempos, originou "graves focos de poluição nas águas do rio Arade", que se "está a transformar rapidamente num autêntico esgoto a céu aberto". »
Quatro anos depois...
Região Sul (29 de Março de 2004)
CDU/Silves reafirma "mau funcionamento" da ETAR do Falacho
A CDU/Silves difundiu um comunicado onde, mais uma vez, protesta contra o "mau funcionamento" da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) do Falacho, inaugurada há um mês e meio "com pompa e circunstância", contando na altura com a presença do secretário de Estado da Administração Local, Miguel Relvas.
Segundo a coligação, "persiste um cheio horrível e o cultivo a céu aberto de milhões de larvas no interior do próprio equipamento, enquanto é lançado no Rio Arade matéria altamente poluída e poluidora". A actual maioria "terá de responder pela forma incompetente como têm conduzido este processo, tratando-se, como é, de uma obra nova que movimentou mais de um milhão de euros do erário público".
Barlavento (6 de Julho de 2005), palavras da Presidente da Câmara Municipal de Silves, Drª Isabel Soares
"(...) Acho que, do Tejo para baixo, não há outro rio que tenha a capacidade turística que o Arade tem.(...)», e adiante, «(...) Existe um conjunto de privados que quer fazer investimentos de grande qualidade nas margens, que poderão ser quase o grito de Ipiranga dos algarvios e do concelho de Silves em relação ao turismo, porque deixamos de ter aquele turismo apenas e somente de massa, que em termos económicos não nos traz mais valias, para passarmos para um turismo de maior qualidade.»
Setembro de 2005 - alguns dias atrás...
Imagem 1. Descarga de lamas residuais imundas na ribeira do Falacho- Rio Arade
Imagem 2. Estado da Ribeira do Falacho depois das mal cheirosas descargas.
SEM COMENTÁRIOS...
Meus caros, há que juntar a nossa voz aos protestos dos vizinhos do Falacho de Baixo, anos a fio convivendo com esta situação.
Só têm que clicar no ícone abaixo com a forma de envelope (junto dos comentários) para endereçar este "post" aos mais directos "interessados", cujos endereços de correio electrónico forneço. Vão ver que lhes faz alguma comichão!, até por que desde já o remeto também aos órgãos de comunicação social.
Chefe de Gabinete da Presidente da Câmara Municipal de Silves
Comisssão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve
Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente

5 comentários:

Antonio disse...

Já enviei o meu protesto, juntando o comentário "Até quando?", mas a CDU, também, só se lembra disto de ano a ano e há mais de uma ano que não se lembrava, tendo em atenção as citações.

manuel castelo ramos disse...

Obrigado. Vamos inundar-lhes as caixas de correio com protestos. Quanto à intervenções da CDU, escolhi as que encontrei na Net, numa pesquisa rápida. Mas já li e ouvi o Francisco Martins aflorar outras vezes a questão sempre que fala nas ETARs, de Silves ou Messines.

JC disse...

Eu passo regularmente na estrada Silves - Porto de Lagos e posso confirmar que o cheiro é verdadeiramente insuportával. Isto há já vários meses.

Romeu Hága disse...

Nas minhas férias deste verão passei alguns dias em Silves e fiquei deveras impressionado com o cheiro nauseabundo que envolve toda a cidade.Que fazem os políticos na edilidade que não dão prioridade á limpeza do rio. Ao passear á beira rio o melhor será nem olhar para ele, pois a visão é simplesmente nojenta, Ver detritos de todo o tipo a passar, e a sua água aonde há uns anos atrás se podia pescar peixe agora mais parece esgoto a ceu aberto.Já fiz chegar a minha denuncia e descontentamente através de email, e continuarei a denunciar esta situação.
Romeu Hága

manuel castelo ramos disse...

E também bastante grave, para além da situação da ETAR e da condução de efluentes não tratados da cidade até à zona da ponte velha, é o tão badalado projecto de desassoreamento e navegabilidade do rio não contemplar a criação de um espelho de água permanente frente à cidade. Ou seja: vamos continuar a sentir os efeitos das marés com toda a carga de poluentes que rio acima sobe; vamos continuar também a ver secar o emporcalhado leito do rio!Obrigado.