segunda-feira, setembro 12, 2005

Diferenças de estilo





Ao contrário das eleições legislativas, nas quais votamos em partidos que designam representantes a uma assembleia nacional, dita legislativa, e a partir da qual se encontra um chefe para um governo que totalmente desconhecemos a priori, nas autárquicas, conhecemos de antemão a totalidade das listas ou pessoas concorrentes a uma câmara, junta de freguesia ou assembleia local. No entanto, e apesar de ser assim, a aposta publicitária da maioria dos partidos é no cabeça de lista à Câmara Municipal. São eles que enchem dia-a-dia os outdoors, os cartazes, as discussões públicas. Remetendo para o esquecimento as equipas, os currículos, enfim, as aptidões dos restantes candidatos a autarcas. Ora, todos sabemos, mesmo sem grandes conhecimentos futebolísticos ou de outras modalidades colectivas (como o é o exercício do poder em democracia), que o que realmente conta é a equipa, só às vezes os craques (veja-se o Real Madrid!). Por isso me pergunto, por que terão o PSD e o PS de Silves tanto pudor em dar protagonismo aos seus outros candidatos a autarcas para além dos cabeças de lista?

8 comentários:

Ana Lúcia disse...

Eu voto CDU porque a diferença é mais do que evidente, começa logo na publicidade que encontro espalhada pelo Concelho.

Carox disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Carox disse...

Sobre os cartazes talvez seja estratégia politica.
Mas confesso que estou curioso por conhecer os programas "promessas" de todos para a vida dos próximos 4 anos em Silves. Isso sim será importante discutir.
Sobre os cartazes meu amigo, pouco importam, se têm equipa ou não, se têm slogans mais apelativos ou não, são puras estratégias politicas,
Já os programas que só aparecem a público nos primeiros dias de campanha, esses sim são importantes e definem muita coisa para os indecisos. Já agora pergunto-te a ti que estás nas listas, o vosso programa já saiu? ou está em estratégia?

manuel castelo ramos disse...

Caro amigo,
Os cartazes poderão ser estratégia política, mas até nisso, se revela filosofia e política. É a ordem das coisas. Se não fossem importantes, não se gastaria tanto dinheiro neles, e sobre isso poder-se-ía fazer uma tese de doutoramento, começando por tentar perceber por que razão os partidos no poder central sempre têm mais capacidade propagandística ou como o poder instalado pode usar os dinheiros públicos em favor da sua própria campanha. Perversidades da democracia! Em relação ao programa da CDU, mais uma vez, primámos pela diferença: já existem, já foram distribuídos massivamente (só no mercado do Algoz saíram centenas!), embora em Silves, apesar de circularem já alguns, só comecem a aparecer por este fim-de-semana, juntamente com os da junta de freguesia. Timings...

Anónimo disse...

Desde que tomei conhecimento da equipa de candidatos às autárquicas, propostos pelo CDU/PEV,que não tinha dúvidas que seria nesta alternativa ao poder laranja, na Autarquia Silvense, em quem iria votar porque é mesmo "Preciso mudar isto". Hoje, encontrei alguns elementos CDU/PEV, na cidade de Silves, em plena campanha eleitoral, alegrei-me ao ver caras minhas conhecidas e tinha grande intenção de os cumprimentar mas... a vontade desvaneceu-se, não existiu troca ( não foi só hoje que aconteceu).
Sempre votei CDU, excepto nas últimas autárquicas, a equipa apresentada não era a melhor. Desta vez, vou abster-me na votação porque às vezes "O cumprimento é preciso para se obter mais um voto".

manuel castelo ramos disse...

Antes de mais, volto a avisar todos os meus leitores para o facto de não pretender continuar a tolerar mensagens anónimas. As pessoas podem assinar os seus textos, devem ter a coragem de os assumir. Quanto ao comentário anterior, respondo dizendo que também andei pela baixa de Silves e, por isso,posso até ter sido eu que não o cumprimentou. Se assim foi, peço desculpa, mas compreenderá que distribuir cumprimentos entre a multidão não é fácil: em primeiro lugar pela quantidade; depois porque não conhecemos todas as pessoas, sendo natural, uma certa inibição de o fazer só por esta ocasião (pode até parecer mal, compreende?); finalmente, e se me permite, dir-lhe-ei que ao abster-se o que realmente faz é entregar o seu voto e poder de decisão a outro que o fará por si, não participando na "mudança disto". Os meus cumprimentos.

Alice Vieira de Sousa disse...

Aceito as suas desculpas, acrescento que não foi o único a ter essa inibição. O que pretendi transmitir é que pode um cumprimento dar ou tirar um voto. Quanto ao anonimato, convém esclarecer que escrevi o meu nome em local próprio (username) e cliquei em Other, admirei-me quando fiquei como anonymous.

Américo Carvalho disse...

Realmente os cartazes reflectem muita coisa como se constata ao ver blogautárquicas.blogs.sapo.pt.
Nalguns cartazes há muitos vaidosos, noutros só dois vaidosos, noutros ainda só um vaidoso.....Será