domingo, junho 29, 2008

Herança Polis

(clique para ampliar)
Não é novidade para ninguém quanto sou crítico do Programa Polis de Silves.
E neste espaço tenho deixado ficar alguns do meus desabafos quanto à sua execução. Aquela que poderia ter sido uma belíssima oportunidade de requalificar a cidade, de apontar caminhos novos, corrigir problemas antigos, preservando a matriz histórico/cultural da velha capital do Algarve, tem antes feito a vida dos habitantes num inferno (com algumas excepções, reconheça-se). E está aí para durar, pelo menos por mais dois anos, a contar já a partir de terça-feira (veremos se é desta que há vergonha na cara e retiram, de uma vez por todas, o relógio do Countdown). Aquela que era a obra principal deste Polis, a Requalificação Urbana do Centro Histórico, será a última a ser terminada, se é que o será!
Mas o que vos trago hoje, embora se prenda com tudo isto, relaciona-se com a questão do trânsito. O Polis e o novo Plano de Urbanização de Silves realizaram um estudo sobre mobilidade e trânsito no espaço urbano (ver imagem acima) e que tinha, como ideia base, reconfigurar percursos procurando retirar trânsito rodoviário do centro da cidade e promover a pedonalização de algumas artérias. Até aqui tudo bem. O problema é que quem o fez parece conhecer mal a cidade e a forma como nela se circula, alterando sentidos, circulação de duas para uma via, enfim, fazendo experiências quando bem e como entendeu, não nos dando qualquer cavaco (leia-se informação). Pior, deixou a sinalização vertical tal como estava (como as imagens adiante documentam), gerando o caos entre os que nos visitam, como tenho inúmeras vezes presenciado. Em alguns dos casos, esta sinalização induz mesmo a procedimentos ilegais, enviando os mais incautos por ruas de sentido proibido.

Nesta questão, a da circulação e sua sinalização na cidade de Silves, o Polis ou seja lá quem decide sobre tudo isto, só piorou o que havia.
E isso não pode acontecer!




Largo de Nª Sª dos Mártires
Quem seguir estas indicações, arrisca-se a não chegar a nenhum dos destinos indicados (sentido proibido 500 metros adiante), e a regressar aonde partiu.










Lampião
E quem estas seguir é induzido a cometer uma ilegalidade (sentido proibido).

4 comentários:

Tozé disse...

E a presidenta não tem nenhum amigo que venda sinais de trânsito e que facture o serviço aos bocadinhos?

xoné disse...

Estive a ver o mapa e achei curioso o facto de que, seguindo os sentidos indicados, quem entra na "mata", perto do antigo hospital, não pode sair.. Claro que conhececendo a zona sei que dá para sair mas, são estes pormenores que revelam o rigor com que estas e outras tarefas são feitas.

Manuel Ramos disse...

Não viu bem. A Rua que conduz ao Largo da "Mata" está a verde (dois sentidos). Só a zona do largo obriga a um só sentido, em redor do busto de Salvador Vilarinho.

xoné disse...

Permita-me que discorde e insista no que aceito que chame de preciosismo! Se eu chegar ao largo pela dita rua de dois sentidos, a rua da misericórdia, contorno o busto de Salvador Vilarinho por um dos dois sentidos únicos ficando em seguida "bloquedado" e não podendo terminar a volta!